O prazer em desrespeitar a vontade acadêmica 

O ATENS Sindicato Nacional vem, mais uma vez, demonstrar seu repúdio diante de mais um ataque do presidente da república, Jair Bolsonaro, à autonomia universitária.

Na última terça-feira, 11 de janeiro, ignorando completamente a decisão da comunidade acadêmica da Universidade Federal de Goiás (UFG) e desrespeitando a vontade da maioria de professores, técnico-administrativos e estudantes da instituição, Jair Bolsonaro decidiu não nomear a professora Sandramara Matias Chaves como reitora da Universidade, mesmo tendo sido a mais votada em consulta à comunidade universitária. A professora empossada, Angelita Pereira, foi a terceira colocada na lista tríplice enviada ao Planalto,

Não é a primeira vez que Bolsonaro e seus ministros agem de forma antidemocrática nas nomeações dos reitores das universidades federais. Desde o início do mandato, mais de 20 de nomeações arbitrárias já foram feitas pelo presidente, seja escolhendo candidatos que não obtiveram a maioria dos votos ou até selecionando reitores que nem constavam da listagem formulada pelas instituições.  

O presidente não é obrigado a nomear a primeira colocada, mas a escolha da comunidade universitária foi historicamente respeitada pois garantir a decisão da comunidade é garantir a autonomia universitária, guardada pela constituição.

Desejamos boa sorte à reitora nomeada e registramos aqui nossos votos para que ela se comprometa com o programa de gestão elaborado de forma democrática pela reitora eleita em primeiro lugar e escolhido pela comunidade por vias democráticas. Aproveitamos para registrar também o nosso apoio e solidariedade para a professora Sandramara.