ATENS UFMG Seção Sindical divulga manifesto em repúdio à Reitoria da Universidade

Em respeito aos servidores técnico-administrativos em educação ocupantes de cargos de nível superior da Universidade Federal de Minas Gerais, a direção da ATENS UFMG Seção Sindical do ATENS Sindicato Nacional divulga manifesto de repúdio às declarações e posições do Reitor Jaime Arturo Ramírez, que não reconhece a Entidade como legítima representante da categoria dos TNS.

Para a ATENS UFMG Seção Sindical, a ampla liberdade de associação dos Técnicos de Nível Superior das IFES e a unidade dos trabalhadores na sua luta por uma sociedade justa, plural e soberana, mantendo-se autônoma diante de todos os agentes políticos, inclusive o Estado e o aparelho estatal, é uma necessidade que não está sendo respeitada pelo atual Reitorado, a despeito das declarações que concederam ao Boletim da UFMG, onde afirmam “que suas “ações” estariam fundamentadas “em três princípios: o caráter público da UFMG, o respeito à gestão colegiada, democrática e ética e o respeito à diversidade”.

Pautada pelo equilíbrio e comprometida com a construção de um movimento efetivamente democrático, plural, propositivo e voltado à defesa dos direitos da categoria, a ATENS UFMG Seção Sindical considera importante que a Universidade respeite o direito de cada técnico tomar o posicionamento político que lhe for mais conveniente. No manifesto, a direção da entidade deixa claro o desejo que, de forma equilibrada, o debate seja conduzido de modo que desemboque em novos rumos para a categoria.

Leia o Manifesto na íntegra:

MANIFESTO DE REPÚDIO

A ATENS UFMG Seção Sindical do ATENS Sindicato Nacional vem a público manifestar seu veemente repúdio às recentes declarações do Reitor da UFMG, Jaime Arturo Ramírez, que nos foram transmitidas, verbalmente, no último dia 05 de setembro, pela Pró-Reitoria de Recursos Humanos, excluindo esta Entidade do espaço político da Universidade, na tentativa de desqualificar a ATENS UFMG Seção Sindical como representante legítima dos servidores técnico-administrativos em educação ocupantes de cargos de nível superior na UFMG. Identifica-se aí uma evidente sintonia com o processo orquestrado por duas outras entidades representativas e uma associativa dos servidores desta Universidade.

Segundo informou a Pró-Reitoria de Recursos Humanos, o Reitor decidiu que: “Este reitorado não irá dialogar, oficialmente, com a ATENS UFMG”. “Não há espaço político para incluir a ATENS UFMG nos processos formais de gestão da UFMG, inclusive no Comitê Político que está sendo criado”, sob a alegação de que “não vai se indispor com os três segmentos da representatividade dos servidores”, anteriormente mencionados.
A ATENS UFMG Seção Sindical lamenta, profundamente, que a ingerência das mencionadas entidades e a disputa pela hegemonia da representação de servidores técnico-administrativos em educação estejam comprometendo, e talvez submetendo, o atual Reitorado, cujas autoridades máximas, contraditoriamente, declararam em entrevista ao Boletim da UFMG que suas “ações” estariam fundamentadas “em três princípios: o caráter público da UFMG, o respeito à gestão colegiada, democrática e ética e o respeito à diversidade.” (A Universidade precisa acolher a diversidade. Boletim da UFMG nº 1850, de 03 de fevereiro de 2014).

Impossível outra constatação a não ser a de que os princípios propalados foram rapidamente esquecidos, à medida que sua decisão foi induzida pelos preconceitos de outros, faltando com o respeito às diferenças e à pluralidade sindical, desconhecendo e não reconhecendo os anseios dos Técnicos de Nível Superior desta Instituição e agindo com discriminação e autoritarismo ao, sumariamente, excluir a ATENS UFMG Seção Sindical, entidade representante legítima dos TNS.

É desta maneira que o Magnífico Reitor pretende “estabelecer um diálogo respeitoso de cooperação com os colegas técnicos administrativos em educação (TAEs)”? (A Universidade precisa acolher a diversidade. Boletim da UFMG nº 1850, de 03 de fevereiro de 2014).

A fundação do ATENS Sindicato Nacional, em 3 de dezembro de 2012, derivou-se de uma grande mobilização em todo o território brasileiro, ao longo de sete anos, e foi motivada, exatamente, por não mais concordarmos com o discurso demagógico da entidade hegemônica que sempre dispensou tratamento discriminatório e prejudicial ao excluir os interesses dos TNS das pautas de negociação, contribuindo, inclusive, para a crescente terceirização de vários serviços, em virtude da conhecida perda, pelas IFES, de servidores recém-concursados para o nível E.

Com a serenidade e a responsabilidade nas quais tem se pautado, a ATENS UFMG Seção Sindical reafirma seu compromisso com o diálogo propositivo e com as ações efetivas para a continuidade da construção e do fortalecimento do ATENS Sindicato Nacional, fundado na legalidade e na legitimidade conquistadas na adesão crescente e na convicção da força e união dos TNS das IFES. A ATENS UFMG Seção Sindical acredita que a mudança é um processo gradativo e continuado, não um simples ato de vontade ou um arroubo submisso e voluntarista. Somos agentes e não apenas sujeitos de nossos destinos!

Manifesto aprovado em Assembleia da ATENS UFMG Seção Sindical do ATENS Sindicato Nacional, realizada no dia 18 de setembro de 2014.