fbpx

Professores do Rio obtêm vitórias e apoio no Judiciário

Os professores das redes municipal e estadual de ensino do Rio de Janeiro ganharam em uma só noite duas manifestações de apoio do Poder Judiciário que, de quebra, criticam as posturas do prefeito Eduardo Paes e do governador Sérgio Cabral, ambos do PMDB. O Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro comemorou especialmente a decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), de suspender decisão do Tribunal de Justiça fluminense que dava à administração municipal e ao governo estadual o direito de cortar o ponto dos grevistas.

“Ontem, fomos às ruas sem motivo para comemorar, para exigir educação pública de qualidade. No Dia do Professor, o que ganhamos dos governos do Rio foram ameaças de corte de ponto e demissões, então com essa decisão nós nos sentimos respeitados, e foi um grande presente para os profissionais da educação”, disse a coordenadora do sindicato, Marta Moraes, em entrevista à Agência Brasil. Nesta terça, 15 de outubro, milhares de pessoas aproveitaram a data para manifestar apoio aos professores e pedir melhorias na educação no Rio de Janeiro. Após a marcha, porém, houve conflito entre manifestantes e policiais.

Fux agendou para terça-feira (22) uma audiência de conciliação em Brasília. Na decisão, o ministro adverte que a postura tomada pelo TJ do Rio “desestimula e desencoraja, ainda que de forma oblíqua, a livre manifestação do direito de greve pelos servidores, verdadeira garantia constitucional”, e pede que até a data marcada para a negociação as partes pensem em quais os limites para se obter um acordo.

O ministro advertiu os desembargadores de segunda instância que desrespeitaram o entendimento do STF de que a greve no serviço público é regida pelas mesmas normas do setor privado até que o Congresso Nacional não realize a regulamentação deste direito. Para Fux, o objetivo da decisão do TJ teve como objetivo “inviabilizar o exercício dessa liberdade básica do cidadão, compelindo os integrantes do movimento a voltarem às suas tarefas”.

A decisão do Tribunal de Justiça havia permitido corte de ponto a partir de 23 de setembro – a greve foi iniciada em 8 de agosto.

“Nossa pauta não é apenas salarial, é principalmente pedagógica”, diz Marta Moraes. “Então, essa audiência de conciliação, esse espaço, é muito importante para buscarmos uma solução, para que a gente possa pautar nossas propostas com relação ao plano de carreira e outros temas. Eles têm que nos ouvir, este é um dos papéis dos governantes.”

A Secretaria de Estado de Educação informou, por meio de nota, que só vai se posicionar quando a Procuradoria-Geral do Estado for notificada sobre a decisão do STF. Na Secretaria Municipal de Educação, a informação é de que continuará a haver cortes de ponto dos professores faltosos por se entender que a decisão da Corte não se refere à prefeitura. Sobre a convocação para a audiência de conciliação do dia 22, a administração Paes informou que ainda não recebeu documento oficial do STF e que, por isso, não se manifestaria a respeito.

Também ontem, a juíza Roseli Nalin, da 5ª Vara de Fazenda Pública, negou a revogação da liminar que anulou a sessão da Câmara dos Vereadores que votou o novo plano de cargos e salários dos profissionais de educação, um dos motivos principais de insatisfação dos professores. A aplicação da lei continua suspensa até que seja analisada pelos desembargadores do Tribunal de Justiça.

O recurso negado pela magistrada foi apresentado pela Mesa Diretora da Câmara, em oposição ao pedido que suspender a aplicação da lei, apresentado por nove vereadores de oposição a Paes.

Roseli Nalin já havia dado razão a esses parlamentares, e agora ironiza a queixa dos apoiadores do prefeito de que a decisão anterior tinha muitas lautas. “Ao que tudo indica, como demonstram os autos, questões de grande relevância não são tratadas com o devido cuidado e com a profundidade necessária (na Câmara)”, diz. “Reitere-se que a discussão dos autos está centrada no processo legislativo, o que difere em muito de eventual impetração contra lei em tese. Conforme se verifica, o Egrégio Superior Tribunal de Justiça assentou, expressamente, o entendimento de que a impetração, por parlamentar, de mandado de segurança contra ato dos órgãos de direção do Parlamento que venha a acarretar afronta ao devido processo legislativo, difere-se, em absoluto, do questionamento contra a lei em tese.”

Fonte: Rede Brasil Atual

Leia também

Com Bolsonaro, MEC terá critério ideológico para conceder bolsas de estudo

“O critério ideológico será eliminatório. Se não passar por este, não avançará para os seguintes”, …