fbpx

“Os valores previstos ameaçam o funcionamento da ciência, tecnologia e inovação do país”, afirmam entidades

Publicado por: ANDIFES

Entidades da comunidade científica brasileira enviaram, nessa sexta-feira (7), carta conjunta ao relator-geral da Lei Orçamentária para 2019, senador Waldemir Moka, expressando preocupação com a previsão de recursos destinados à Ciência e Tecnologia para o próximo ano.

Assinam a carta a Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino (Andifes), Academia Brasileira de Ciências (ABC), Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa (Confap), Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Cientifica e Tecnológica (Confies), Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência e Tecnologia (Consecti), Fórum Nacional de Secretários Municipais da Área de Ciência e Tecnologia e Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Leia a carta na íntegra:

Recursos orçamentários do PLOA 2019 para CT&I

Senhor Senador,

Os valores previstos no PLOA 2019 para o CNPq e Finep ameaçam o funcionamento destas importantes agências de fomento à ciência, tecnologia e inovação do país. Nossas entidades, representativas da comunidade científica e acadêmica do país, levaram recentemente à senadora Ana Amélia, relatora setorial do orçamento de CT&I, a solicitação de que fossem ampliados os recursos orçamentários a elas destinados para 2019. A senadora Ana Amélia, embora não tivesse condições de fazer alterações significativas no PLOA 2019, frisou em seu parecer a necessidade de recompor os orçamentos das unidades ligadas às atividades de ciência e tecnologia e deixou registrado: “salientamos que possuem dificuldades orçamentárias, principalmente, CNPq, …” Um aumento de R$ 300 milhões na dotação do CNPq é essencial para que sejam mantidos os mesmos recursos de 2018, que já estão em patamar muito baixo. Caso contrário, o CNPq terá que suspender o pagamento de bolsas de iniciação científica e de pós-graduação já em setembro do próximo ano, prejudicando cerca de 80.000 bolsistas.

Insistimos, portanto, na necessidade imperiosa de se aumentar recursos para a Ação Programática 2021 00LV do CNPq (Formação, Capacitação e Expansão de Pessoal Qualificado em Ciência, Tecnologia e Inovação), que teve redução de 28% em seus recursos em relação ao ano anterior. Observamos que parte dos recursos destinados a inversões financeiras em empresas da área de comunicações do MCTIC, que totalizam R$ 1.351.007.842 (para a participação da União no capital da TELEBRÁS e da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), poderia ser destinada ao CNPq. Há uma possibilidade de sanar o gravíssimo problema do CNPq, sem aumento de despesa orçamentária, destinando a essa agência pelo menos R$ 300 milhões de reais do montante programado para tais inversões financeiras, operações estas que não nos parecem essenciais para o funcionamento da área de comunicação.

No que tange à Finep e ao modelo de financiamento de projetos estratégicos para o Brasil, a destinação de cerca de 4/5 dos recursos do FNDCT para a Reserva de Contingência é uma medida que caminha no sentido contrário da necessária recuperação econômica do País. Para 2019, R$ 3,39 bilhões do FNDCT estão destinados à Reserva de Contingência, um aumento de 43% em relação ao orçamento de 2018. O estrangulamento desse Fundo e o esvaziamento da Finep, a principal agência pública que financia a inovação, terão um impacto muito negativo no funcionamento do Sistema Nacional de CT&I, atingindo profundamente instituições de pesquisa, universidades e empresas com base tecnológica. Portanto, solicitamos que os recursos destinados à Reserva de Contingência, que excedam a obrigação prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal (LFR), sejam liberados para o investimento no setor, atendendo assim à função a que se destina o FNDCT quando da sua criação.

Certos de contar com a compreensão de V.Ex.ª às solicitações aqui colocadas, despedimo-nos.

Atenciosamente,

Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidovich

Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino (Andifes), Reinaldo Centoducatte

Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa (Confap), Maria Zaira Turchi

Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de
Pesquisa Cientifica e Tecnológica (Confies), Fernando Peregrino

Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência e Tecnologia
(Consecti), Francilene Procópio Garcia

Fórum Nacional de Secretários Municipais da Área de Ciência e Tecnologia, André Gomyde Porto

Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu de Castro Moreira

Leia também

Com Bolsonaro, MEC terá critério ideológico para conceder bolsas de estudo

“O critério ideológico será eliminatório. Se não passar por este, não avançará para os seguintes”, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *