Nota oficial sobre o Decreto n. 9498/2018

O Decreto nº 9.498/2018, de 10/09/2018, que dispõe sobre a competência para a concessão e a manutenção de aposentadorias e de pensões do regime próprio de previdência social dos órgãos da administração pública federal direta, é do conhecimento de todos. O diretor de Relações de Trabalho no Serviço Público, do Ministério do Planejamento, Paulo Campolina, em reunião com a direção do Sinait (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho), no dia 12 de setembro passado, explicou que a medida faz parte de um esforço para padronizar o atendimento, gerando mais eficiência e qualidade nos serviços prestados a esses servidores. Segundo ele, está sendo criada uma estrutura no Planejamento, que contará com representações para abrigar o novo serviço.
 
Em análise preliminar de nossa assessoria jurídica, o Decreto n. 9498/2018 que em seu estágio inicial de aplicação, não atingirá os servidores das IFES, fere o princípio da autonomia administrativa, em especial o art. 54 da LDB que determina: “Art. 54. As universidades mantidas pelo Poder Público gozarão, na forma da lei, de estatuto jurídico especial para atender às peculiaridades de sua estrutura, organização e financiamento pelo Poder Público, assim como dos seus planos de carreira e do regime jurídico do seu pessoal.”
Não há como negar que o Decreto em questão, significa mais um obstáculo à autonomia universitária criado pelas normas que regem a administração pública no Brasil e, deve ser combatido, pois viola o conceito de autonomia administrativa e de gestão financeira concedido às Universidades Públicas. A princípio, pode parecer apenas um ato inofensivo, permitir que as aposentadorias e pensões passem a ser de competência exclusiva do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Mas na prática, o que se verá para os aposentados e pensionistas será um distanciamento abissal no tocante à resolução de quaisquer questões burocráticas e, por fim a aplicação rápida e unilateral de todas as absurdas e ilegais Orientações Normativas do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.
Com relação à Instrução Normativa nº 2, de 12/09/2018, que estabelece orientação, critérios e procedimentos gerais a serem observados quanto à jornada de trabalho, controle de frequência, compatibilidade de horários na acumulação remunerada de cargos, empregos e funções, está sendo ainda analisada por nossa Assessoria Jurídica. Aguardem mais informações em breve.
Continuamos atentos e não mediremos esforços para combater mais estes ataques aos servidores públicos!

Leia também

Assembleia transforma ATENS UFRA em Seção Sindical do ATENS SN

No dia 07 de novembro de 2018, no Auditório da Biblioteca Central, Campus UFRA, Belém, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *